Campanha #VemProUro faz sucesso

A SBU realizou no mês de setembro uma campanha inédita voltada exclusivamente para o adolescente masculino. Batizada de #VemProUro, a ação objetiva a orientação da saúde do jovem.

O Médico Urologista do Hospital Santa Mônica, Dr. Henrique Nonemacher, além de apoiar a Campanha participou das suas atividades.

Confira abaixo o Artigo que ele escreveu sobre o Assunto publicado no Site da Sociedade Brasileira de Urologia.

Quais mudanças vão ocorrer no meu corpo?

A puberdade é definida como um processo fisiológico de maturação hormonal e crescimento que torna o organismo apto a se reproduzir e coincide com a adolescência. Durante a puberdade ocorrem modificações no padrão de secreção de alguns hormônios, predominantemente, a testosterona no menino e o estradiol nas meninas. Com exceção do período fetal, não há nenhuma outra fase no desenvolvimento do ser humano em que o crescimento em altura e as mudanças na composição corpórea sejam tão intensos e rápidos. O estirão puberal dura cerca de três a quatro anos e representa ganho de aproximadamente 20% da estatura e 50% do peso adulto do indivíduo. Adolescentes de mesma idade frequentemente estão em fases distintas da puberdade, pois esta tem início e ritmo de progressão muito variáveis entre eles.

A avaliação da maturação sexual é feita pela análise das mamas e dos pêlos púbicos no sexo feminino, e dos genitais e pêlos púbicos no sexo masculino. As mamas femininas e os genitais masculinos são avaliados quanto ao tamanho, forma e características, e os pelos púbicos, por suas características, quantidade e distribuição. O estágio 1 corresponde sempre à fase infantil, impúbere, e o estágio 5, à fase pós-puberal, adulta. Portanto, são os estágios 2, 3 e 4 que caracterizam o período puberal. A seguir focaremos no desenvolvimento sexual masculino.

A análise é realizada com base em dois quesitos: Genitais (G) e pelos (P).

Genitais
G1 – Pênis, testículos e escroto de proporções infantis
G2 – Aumento inicial testicular (mais que 4ml), pele escrotal muda de textura e torna-se avermelhada. Aumento do pênis mínimo ou ausente
G3 – Crescimento peniano, principalmente em comprimento, maior crescimento dos testículos e escroto
G4 – Continua crescimento peniano, principalmente em diâmetro e com maior desenvolvimento da glande. Maior crescimento dos testículos e do escroto, cuja pele se torna mais pigmentada
G5 – Genitália adulta
Pelos
P1 – Ausência de pelos, pode haver leve penugem
P2 – Aparecimento de pelos longos e finos, levemente pigmentados, lisos principalmente na base do pênis
P3 – Maior quantidade de pelos, agora mais grossos, escuros e encaracolados, espalhando-se esparsamente pela região púbica
P4 – Pelos do tipo adulto, cobrindo mais densamente a região púbica, mas ainda sem atingir a face interna das coxas
P5 – Pelos iguais aos do adulto, invadindo face interna das coxas
P6 – Extensão dos pelos acima da região púbica

É recomendável que esses dois componentes sejam sempre observados separadamente, pois alguns adolescentes poderão estar em fases diferentes para cada uma dessas características (por exemplo, G2P1), visto que a maturação das mesmas é gradual e obedece a mecanismos hormonais e genéticos diferentes. A maioria dos adolescentes não diverge entre os dois componentes mais do que em um estágio, mas situações como G1P3, G4P1, embora raras, são vistas em adolescentes geralmente normais e, se isso ocorrer, uma avaliação médica está sempre indicada, já que diferenças importantes podem ser sinal de doença.

A mensuração do volume testicular constitui um instrumento adicional que tem uma certa importância na avaliação do amadurecimento sexual. Meninos de 11 ou 12 anos com testículos pequenos (1 a 2ml) provavelmente são portadores de um retardo puberal, que pode ser patológico ou não. A maioria dos adolescentes tem volumes testiculares direito e esquerdo quase iguais, mas é muito comum que o testículo esquerdo apresente um volume ligeiramente inferior ao do testículo direito. Quando a diferença é significativa (mais de 20%), devemos procurar algum fator que possa estar interferindo no crescimento do testículo menor (varizes escrotais, antecedentes de cirurgia, inflamação ou torção testicular).

O primeiro sinal de puberdade masculina é o aumento do volume testicular (9-14 anos = G2), seguido do aparecimento de pelos pubianos (P2). A primeira ejaculação ocorre com volume testicular em torno de 10 a 12ml (G3), pode ocorrer espontaneamente durante o sono, e, além disso, o sêmen dos dois primeiros anos costuma ter baixa concentração de espermatozoides, o que não impede o adolescente de ter filhos. O aparecimento de pelos nas axilas e na face coincide com o estágio P3 de pelos pubianos, enquanto a mudança no timbre de voz, com o estágio P5. Pode ocorrer em mais da metade dos adolescentes do sexo masculino um aumento das mamas e costuma ser uma condição passageira, com resolução espontânea.

Puberdade precoce

A puberdade precoce é o início do desenvolvimento de características sexuais secundárias antes da idade esperada. O diagnóstico é feito pelo médico com exame físico e caracteriza-se por um aumento do volume testicular (maior de 4ml de volume ou maior que 2,5cm no maior diâmetro) ou aparecimento de pêlos pubianos antes dos 9 anos de idade. No caso de não ocorrer nenhum aumento testicular até os 14 anos ou um atraso de mais de cinco anos para o amadurecimento completo do pênis, podemos estar diante de uma puberdade atrasada.

O mais importante é garantir uma conversa aberta entre o adolescente e os pais, para que qualquer alteração nos marcos do desenvolvimento seja prontamente notada e encaminhada para uma avaliação completa junto a um urologista.

Segue o link com o vídeo feito pelo Dr. Henrique Nonemacher para a Campanha #VemProUro .
👇
http://portaldaurologia.org.br/…/campanha-vemprouro-dr-hen…/

 

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *